50º Festival de Brasília começa nesta sexta, com mix de tradição e pluralidade

Com o desafio de celebrar 52 anos de história e, ao mesmo tempo, apontar novos caminhos para a cinematografia nacional, começa nesta sexta-feira (15) a 50ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Ao longo de dez dias, a mostra mais antiga e tradicional do país passará por curtas e longas-metragens, ficcionais e documentais, realizados em pelo menos 13 estados e no próprio Distrito Federal.

A missão de organizar todos esses elementos, pelo segundo ano consecutivo, ficou a cargo do cineasta e crítico carioca Eduardo Valente. Em entrevista ao G1, o diretor artístico e curador do festival falou sobre a responsabilidade e as expectativas para a edição comemorativa.

“O festival tem uma história marcante e impossível de ignorar, tem uma força de tradição que é referência pra gente. Seja na direção artística, na retrospectiva das edições passadas, nos debates e homenagens. Mas a gente não pode só olhar para trás, não pode ficar autocentrado. Tem que propor e indicar caminhos”.

Antes mesmo de ligar os projetores, a edição 50 do festival deixou marcas na história do evento. Os nove longas-metragens da mostra competitiva foram escolhidos entre 170 inscritos – um recorde.

“A gente vai ter, desde filmes de ficção científica sobre o futuro do Brasil, até filmes passados no século 19. Mas são filmes que usam tudo isso para falar do Brasil de hoje. É natural que a gente esteja procurando trabalhos diferentes, únicos, particulares, mas que também representem um pouco do todo”, diz Valente.

Compartilhe

Copyright © Guia de Ceilândia - O Guia comercial de Ceilândia